Diretor de Vingadores: Ultimato esclarece o arco do Capitão América no filme



Este post contém spoilers para quem ainda não assistiu Vingadores: Ultimato.

Como qualquer filme que envolve viagem no tempo, Vingadores: Ultimato gerou muita discussão entre os fãs para ver se a lógica da linha de tempo se sustentava ou não.

E um dos momentos que gerou mais buzz entre os seguidores da Casas de Ideias foi o arco do Capitão América, que optou em ficar no passado para viver o seu amor com Peggy Carter. Porém, como essa decisão de Steve Rogers afetou a continuidade dos filmes passados da Marvel? Ainda bem que o co-diretor Joe Russo resolveu esclarecer tudo que aconteceu em uma entrevista a um site Chinês.

Quando perguntado se a última viagem de Cap ao passado afetou a linha do tempo do Universo da Marvel, Russo explicou que sua vida com Peggy era parte de uma realidade alternativa, que não afetou o cânone dos filmes:

"Para mim, a ação do Capitão América no final não foi o fato dele querer mudar alguma coisa. Na verdade ele fez uma escolha. Ele escolheu voltar ao passado e viver com a pessoa que amava pelo resto de sua vida. Essa viagem no tempo acabou criando uma realidade alternativa e ele viveu uma vida completamente diferente nesse mundo. Nós não sabemos exatamente como foi a sua vida, mas eu gostaria de acreditar que ele ajudou muitas pessoas nessa realidade."

Ele ainda diz:

"Sim, havia dois Capitães América nessa realidade. É como o que o Hulk disse, o que aconteceu no passado já aconteceu. Se você voltar ao passado, você simplesmente criou uma nova realidade. Os personagens deste filme criaram uma nova linha do tempo quando voltaram ao passado, mas não tiveram efeito no universo principal. O que aconteceu nos últimos 22 filmes ainda é canônico."

Posteriormente, o diretor foi perguntado se o enredo de Ultimato era operado pela lógica de um loop de tempo fechado, ao qual ele respondeu:

"Não, não é um loop de tempo. Ambos Ancião e Hulk estavam certos. Você não pode mudar o futuro simplesmente voltando ao passado. Mas é possível criar um futuro alternativo. Não é efeito de borboleta. Todas as decisões que você tomou no passado podem criar uma nova linha do tempo. Por exemplo, o velho Capitão no final do filme, viveu sua vida de casado em um universo diferente do principal. Ele teve que fazer outro salto de volta para o universo principal para dar o escudo ao Sam."

A última frase da entrevista Russo ajuda a esclarecer o plot hole criado por Steve Rogers em sua viagem ao passado. Afinal, segundo o co-diretor, a vida de Cap com Peggy aconteceu em uma realidade diferente da continuidade principal do Universo Cinematográfico, e foi apenas no final que ele fez o salto de volta para sua linha de tempo original. Mantendo intacta a timeline dos 22 filmes da Marvel Studios.

Daniel Rost Dreyer

Sócio fundador da Gampi. Publicitário, empresário e entusiasta de cultura geek. May the Force be with you. Always.

Nenhum comentário:

Postar um comentário